quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

O terreiro e a comunidade

Sempre entendemos os terreiros de Candomblé como centros sociais dentro das comunidades, apesar de raramente desempenharem esses papéis. Os terreiros são referência para as pessoas, locais de convívio e formação de opinião. No entanto essa liderança só é lembrada até hoje em período eleitoral. Isso tem criado uma relação terrível entre os dirigentes dos terreiros e os políticos que só vem prejudicando e reduzindo a força que o segmento tem a mero mercado de votos, comprado ao preço de alguns sacos de cimento, um aluguel de ônibus para entrega de presentes na praia ou no rio ou até por ditos "alvará de funcionamento" sem nenhum valor jurídico, dado por confederações de terreiros inexistentes, mas que são entendidos como o maior (e talvez o único) reconhecimento "oficial" da existência do seu templo religioso.

Há alguns anos, especialmente durante as últimas gestões municipais, temos visto isto mudar de figura no Recife e em Olinda. O tombamento em 20
07 da Casa Xambá e o decreto da sua existência como quilombo urbano, respaldam as reivindicações da comunidade. No entanto, as medidas anunciadas nos jornais da época que beneficiariam 3 mil pessoas, com área construída de 120 metros quadrados dedicados à atendimento da população com creche, núcleo de saúde, auditório, biblioteca, laboratório de informática, e áreas para oficinas com fabricação de velas, instrumentos musicais, aulas de capoeira e música, ainda se arrasta.

Anterior é o tombamento do Sítio de Pai Adão, um dos mais tradicionais de Pernambuco, é de 1996, pelo Patrimônio Histórico do Estado, mas recebeu atenção especial nos últimos meses. Em Junho deste ano, foi requalificado, recebendo investimentos de R$ 60 mil. Foram realizadas a recuperação do telhado, pintura e serviços de jardinagem, paisagismo, calçamento interno, sinalização dos espaços, além da restauração da Capela Centenária de Santa Inês. Regularmente o espaço abriga eventos culturais, como lançamentos de livros e grupos musicais, exposições, apresentações variadas. Também é sede do grupo de afoxé do terreiro.

A Caminhada do Povo de Terreiro do Recife é um esforço
no sentido de resgatar a união entre as casas e criar orgulho na identidade candomblecista. Atividades também são desenvolvidas pela prefeitura do Recife com palestras e orientações variadas sobre assuntos relacionados ao povo do santo, inclusive com a distribuição de cestas básicas para os centros cadastrados repassarem em suas comunidades ou direcionarem seu uso ao dia-a-dia religioso da casa.

O que esperamos é que ações positivas vão se acumulando, quebrando preconceitos e construindo aos poucos o orgulho de ser candomblecista. Que coloquem o Candomblé no lugar onde sempre esteve e nunca assumiu. Que esses projetos cresçam e dêem resultados, porque o nossa religião tem muito mais a oferecer à sociedade.

Nenhum comentário: