quinta-feira, 14 de junho de 2012

Ai, Xangô Menino da fogueira de São João!


Em Pernambuco, estamos no início de um dos períodos mais esperados do ano: as festas juninas. No entanto, nem elas se resumem ao mês de junho nem ao forró, às fogueiras e às comida de milho, apesar de serem estes, grandes símbolos do seu ápice no nordeste.

Segundo o site da Prefeitura do Recife, ao apresentar sua programação cultural para o mês, a festa de "São João" é a festa da fertilidade da terra e do homem. E temos que concordar. O santo também, porque deve ser uma honra para ele, emprestar seu nome para um espetáculo de tanta devoção.

No São João, a devoção, inclusive, não separa profano de sagrado, já que as origens destes festejos vêm de muito antes de algumas carolices cristãs. É o período de celebrar Juno, a deusa da família, em "ritos que envolvem o imaginário individual e coletivo, alimento para o espírito".

O fogo que aquece, prepara os alimentos, espanta os malfazejos e ainda reúne em volta das fogueiras, mulheres, homens e crianças, agrupando os diferentes, mas tão iguais nas suas aspirações e sentimentos. Junho é o período, no Nordeste, da colheita do milho, um dos elementos mais fortes na nossa mesa. A culinária típica nordestina é recheada de exemplos disso. Como não louvar a fertilidade da terra na colheita farta, prazer, resultado do esforço, suor e trabalho? Da casa para a vizinhança, da rua para o arraial e do arraial para todos. "Esse é o sentimento de devoção e alegria próprio dos festejos comunitários, aquecidos no fogo da fogueira e no coração da nossa gente".

Ai, Xangô, Xangô menino da fogueira de São João
Quero ser sempre o menino, Xangô, da fogueira de São João
Céu de estrela sem destino de beleza sem razão
Tome conta do destino, Xangô, da beleza e da razão

Viva São João, viva o milho verde
Viva São João, viva o brilho verde
Viva São João das matas de Oxossi
Viva São João

Olha pro céu, meu amor, veja como ele está lindo
Noite tão fria de junho, Xangô, canto tanto canto lindo
Fogo, fogo de artifício, quero ser sempre o menino
As estrelas deste mundo, Xangô, ai, São João, Xangô Menino.

Viva São João!