terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Blowin' in the wind



Diversos Candomblés de todo o Brasil dedicam o dia de hoje, 4 de dezembro, a cultuar Iansã, a deusa dos ventos, dos raios e das tempestades. A data parece ter sido escolhida para coincidir com o culto católico ao seu mito também associado aos relâmpagos e trovões, Santa Bárbara. Apesar de serem divindades distintas, as semelhanças possíveis entre estes personagens foram importantes para os cultuadores dos Orixás poderem venerar as forças da natureza em momentos onde a própria sociedade cristã solicitava isso.

Oyá, a deusa do rio Níger, entitulada de Iyá Mesan (mãe dos nove) de onde surgiu a corrutela Iansã, levanta com o vento gerado em sua dança guerreira, tudo o que está assentado, escondido e estagnado. Ela desestabiliza, dinamiza, vivifica, traz à luz, oxigena! Oyá é renovação, vida, morte e renascimento, destruição e reconstrução.


E quando aprenderemos a ouvir as respostas que o vento leva e traz nas nossas vidas? Quando aprenderemos o momento certo de agir? Quando aprenderemos a nos livrar dos parasitas que nos sugam, assim como ela faz com seu eruxim? São essas perguntas que Iansã nos faz quando arranca, como um furacão, as escoras que nos viciam e nos acomodam, nos impedindo de crescer.

 














Blowin´ in the wind (tradução)
Bob Dylan

"Quantas estradas um homem precisará andar
Antes que possam chamá-lo de homem?
Quantos mares uma pomba branca precisará sobrevoar
Antes que possa dormir na areia?

Sim, e quantas balas de canhão precisarão voar
Até serem para sempre banidas?

A resposta, meu amigo, está sendo soprada pelo vento
A resposta está sendo soprada pelo vento
Quantos anos uma montanha pode existir
Até ser dissolvida pelo mar?
E quantos anos algumas pessoas terão de viver
Até ser permitido que sejam livres?
Sim, e quantas vezes um homem pode virar a cabeça
E fingir que simplesmente não vê?

A resposta, meu amigo, está sendo soprada pelo vento
A resposta está sendo soprada pelo vento
 Quantas vezes um homem precisará olhar para cima
Até que possa ver o céu?
Sim, e quantas orelhas precisará ter
Antes que possa ouvir as pessoas chorarem?
Sim, e quantas mortes ele causará até saber
Que pessoas já morrem pessoas demais?

A resposta, meu amigo, está sendo soprada pelo vento

A resposta está sendo soprada pelo vento"